Anúncios

Aprenda Como negociar suas dívidas e evitar juros altos. Ter dívidas é uma situação que pode afetar a sua saúde financeira, emocional e até mesmo física. Além de comprometer o seu orçamento, as dívidas podem gerar juros abusivos, que aumentam o valor que você deve e dificultam a quitação. Por isso, é importante saber como negociar as suas dívidas e evitar os juros altos, que podem se tornar uma bola de neve.

Anúncios

Neste artigo, vamos dar algumas dicas de como você pode fazer isso, usando estratégias simples e eficazes. Então, acompanhe e economize!


O que são juros abusivos e como identificá-los?

Juros são os valores que você paga a mais quando contrata um empréstimo, um financiamento ou usa o crédito rotativo do cartão, por exemplo. Eles são uma forma de remunerar o credor pelo dinheiro que ele emprestou a você.

No entanto, nem todos os juros são justos e legais. Existem casos em que os juros cobrados são muito superiores aos praticados pelo mercado ou aos permitidos pela lei. Esses são os chamados juros abusivos, que podem ser considerados uma prática ilegal e lesiva ao consumidor.

Anúncios

Mas como identificar os juros abusivos? Uma forma é comparar as taxas de juros que você está pagando com as taxas médias divulgadas pelo Banco Central. Você pode acessar essas informações no site do BC.

Outra forma é verificar se os juros cobrados estão de acordo com as leis que regulamentam o assunto. Por exemplo, no caso dos juros de mora, que são os juros cobrados pelo atraso no pagamento, a lei determina que eles não podem ultrapassar 1% ao mês ou 12% ao ano.

Já no caso dos juros remuneratórios, que são os juros cobrados pelo uso do crédito, a lei não estabelece um limite, mas permite que o consumidor questione judicialmente os juros que considerar excessivos.

Anúncios

Como negociar as dívidas e reduzir os juros?

Se você identificou que está pagando juros abusivos ou que está com dificuldades para quitar as suas dívidas, o primeiro passo é tentar negociar com os seus credores.

Como negociar as dívidas e reduzir os juros:

  • Faça um diagnóstico financeiro: saiba quanto você deve, para quem, com quais juros, prazos e condições. Além disso, saiba também quanto você ganha, gasta e pode pagar por mês. Tenha uma visão clara da sua realidade e defina as suas prioridades.
  • Procure os seus credores: mostre que você quer pagar as suas dívidas. Explique a sua situação e peça uma proposta de renegociação que caiba no seu bolso. Seja honesto e realista, não faça promessas que você não pode cumprir.
  • Pesquise as opções de mercado: compare as opções de mercado que podem oferecer condições melhores. Por exemplo, busque um empréstimo com juros mais baixos para quitar a sua dívida atual. Ou faça a portabilidade da sua dívida para outro banco que cobre taxas menores. Escolha a alternativa mais adequada para o seu caso.
  • Peça a redução ou a eliminação dos juros abusivos: se você está pagando juros abusivos, você tem o direito de pedir a redução ou a eliminação desses juros. Você pode fazer isso de forma amigável, enviando uma carta ao seu credor. Ou você pode fazer isso de forma judicial, contratando um advogado especializado e entrando com uma ação na justiça. Tenha documentos que comprovem a sua dívida e os juros cobrados.
  • Registre o acordo por escrito: se você negociou a sua dívida, registre o acordo por escrito, com todos os detalhes, como o valor, o número de parcelas, os juros, as multas, os prazos e as garantias. Isso vai evitar problemas futuros e garantir os seus direitos e deveres.
Como Negociar Dívidas e Evitar Juros Altos?
Imagem: Frimufilms/Freepik

Como evitar as dívidas e os juros altos?

Negociar as dívidas e reduzir os juros é uma solução para quem já está endividado, mas o ideal é evitar que isso aconteça. Para isso, é preciso ter uma boa educação financeira e adotar hábitos saudáveis que ajudem a manter o equilíbrio das suas finanças. Veja algumas dicas:

  • Faça um orçamento: planeje e controle as suas receitas e despesas. Saiba quanto você ganha, gasta, poupa e investe.
  • Corte gastos desnecessários: economize e evite dívidas eliminando gastos que não agregam valor à sua vida. Evite também compras por impulso, sem necessidade e sem planejamento.
  • Use o crédito com parcimônia: use o crédito com responsabilidade e inteligência. Por exemplo, use o crédito para comprar bens de valor elevado, se puder pagar as parcelas. Mas evite usar o crédito para financiar o seu estilo de vida, como viagens, roupas, restaurantes, etc.
  • Tenha uma reserva de emergência: guarde dinheiro para usar em situações imprevistas, como um acidente, uma doença, uma demissão, etc. Evite recorrer ao crédito nessas horas e se endividar com juros altos. Por isso, o ideal é ter uma reserva de pelo menos seis meses das suas despesas fixas, como aluguel, água, luz, etc.
  • Invista o seu dinheiro: faça o seu dinheiro render mais e aumente o seu patrimônio. Escolha opções de investimento de acordo com o seu perfil, objetivo e prazo. Você pode investir em renda fixa, renda variável, fundos, entre outros. Busque conhecimento, diversifique a sua carteira e acompanhe o seu desempenho.

Conclusão

Ter dívidas e pagar juros altos pode prejudicar a sua vida financeira e a sua qualidade de vida. Por isso, é fundamental saber como negociar as suas dívidas e evitar os juros abusivos, buscando um acordo justo e viável com os seus credores.

Além disso, é essencial ter uma boa educação financeira e adotar hábitos saudáveis que ajudem a manter o equilíbrio das suas finanças. Assim, você pode evitar se endividar novamente e ter mais tranquilidade e segurança para alcançar os seus objetivos e sonhos.

Share.

Aqui é a Aline C. Santos, e estou muito animada em compartilhar com vocês meu conhecimento e experiência no mundo das finanças. Acredito que todos nós podemos ter uma vida financeira saudável e próspera, e é por isso que estou aqui para ajudar vocês nessa jornada. E-mail: [email protected]

Leave A Reply

Anúncios
Este site usa cookies para melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com nossa Política de Cookies.   
Privacidad